Pará tem 1º caso de violência doméstica homoafetiva
José Ricardo responderá por ameaça e lesão corporal grave, dentro do Artº 5º, Parágrafo único - Lei Maria da Penha.
Pará tem 1º caso de violência doméstica homoafetiva

Na manhã de hoje, foi preso o morador de rua que diz se chamar José Ricardo Araújo, 26 anos. Ele foi acusado de agredir e ameaçar uma travesti que mantia relacionamento homoafetiva há oito meses.

Ela (que não quis se identificar), tem 41 anos e já havia denunciado o companheiro para Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), mas houveram difildades em expedir a medida protetiva pelo fato dele não ter endereço fixo. Segundo informações da vítima, ele pediu ajuda por apenas dois dias, e ela concordou oferecendo abrigo em sua casa. Ela relata que eles acabaram se apaixonando e que somente depois de alguns meses ele começou a agredi-la, era muito dominador, demostrava ser muito ciumento, e chegava a realizar diversas ameaças de morte.

No final de semana, a travesti foi agredida no olho direito e na cabeça com um cadeado e uma pedra. Seu pai, que tentou defendê-la da agressão, também foi ferido no braço com o pedaço de pau que José Ricardo portava. Hoje o acusado voltou a ameaçá-la, só que dessa vez foi preso em flagrante, no bairro do Castanheira. Agora José Ricardo responderá por ameaça e lesão corporal grave, dentro do Artº 5º, Parágrafo único - Lei Maria da Penha, sem possibilidade de pena alternativa ou fiança.

A vítima fez exame de corpo e delito e foi atendida pelo Propaz. Por ser uma situação específica, foi oferecido abrigo à ela, mas a mesma recusou. 

Fernanda Marinho, delegada de plantão da DEAM disse que o preso não quis se manifestar de maneira nenhuma. "Ele já está preso e será transferido", declara. 

Ainda segundo a delegada, tanto ela quanto o pai estão feridos mas passam bem. Ela está assustada por medo dele sair da prisão e voltar a ameaçá-la. Esse é o primeiro caso no Estado do Pará que tem o enquadramento de violência doméstica para uma relação homoafetiva, incluída na Lei Maria da Penha. 

(Fonte: ORM)



Caro usuário. Só serão liberados os comentários com nome e sobrenome, assim como o endereço de e-mail. O portal também não aceita xingamento, piadas e trocadilhos com nomes de pessoas ou caracteres ofensivos. Seja responsável ao opinar e a sua opinião terá mais valor.

LEIA TAMBÉM
TJ faz mutirão para acelerar processos criminais

Justiça

TJ faz mutirão para acelerar processos criminais

Operação tratará da verificação de ações penais de 6.100 réus.

Ação aperta o cerco contra o mosquito

Tucumã

Ação aperta o cerco contra o mosquito

A força-tarefa reuniu agentes de endemias, autoridades e voluntários para percorrer os principais locais da cidade identificados como os de maior risco à proliferação do mosquito.

GRUPO CORREIO
94 99135-0101
Envie seu conteúdo pelo WhatsApp do Correio news.
EDIÇÃO DIGITAL
Edição 3.083 de 21 e 23 de Janeiro de 2017


Mais Acessadas

NAPP desafia falta de estrutura

Sem recursos, núcleo faz o que pode para atender crianças portadoras de necessidades especiais em Parauapebas